sexta-feira, julho 01, 2011

Para que serve o eletroencefalograma

Eletroencefalograma... nome estranho que mais parece um insulto. Mas na verdade refere-se aquele exame dos fios que são colocados na superfície da cabeça enquanto você permanece deitado. É um exame muito comum, e bastante solicitado nos consultórios neurológicos. Mas você sabe para quê que ele serve?

Antes de começarmos, vamos falar um pouco sobre eletricidade cerebral. Sim, eletricidade. Suas células nervosas, os neurônios, transmitem e recebem informações umas das outras através de impulsos elétricos. Você sabia disso? Pois é, e esses impulsos são produzidos pela movimentação de átomos de sódio, potássio e cálcio para dentro e para fora da célula. E é essa eletricidade que é captada pelo eletroencefalograma. Nossos neurônios são incríveis.

Eles possuem um núcleo, onde está o centro, o DNA propriamente dito, e extensões chamadas de axônios e dendritos (já discutidos em artigo anterior). Estes prolongamentos são revestidos por uma bainha de mielina e pela membrana plasmática do neurônio. Nestas membranas estão canais, que são passagens que ligam o ambiente fora da célula com o dentro da célula. É por esses canais que pasam os íons (sódio, potássio, cálcio, cloro) que produzem a energia elétrica. Veja uma membrana com canais abaixo (para quem já estudou biologia, é uma boa hora para recordar):

http://www.cwru.edu/groups/ANCL/pages/01/01_08.htm
A membrana está em azul. Os canais em cinza. E os átomos de sódio em vermelho. Clique na imagem para ver os átomos fluindo pelo canal ativo.

Mas esta eletricidade produzida pelos neurônios é muito pequena para ser captada na superfície da cabeça, fora que há vários tecidos em cima do cérebro, como osso, gordura e pele, que servem para diminuir ainda mais a capacidade de captar esta eletricidade superficialmente. Daí a necessidade de um aparelho que, além de captar a eletricidade, amplifique esses sinais para torná-los visíveis e poderem ser lidos. E o eletroencefalograma faz isso também.

Aqui vai uma página de um registro eletroencefalográfico, cheio de traços estranhos e esquisitos, que você fica se perguntando como o médico consegue ler, mas que não é difícil quando você é treinado para isso. um treinamento que dura 1 ano ou mais de estudos em eletroencefalograma. Por isso, você tem que saber que um médico (geralmente neurologistas), para fazer e ler um eletroencefalograma de forma correta, tem de ter estudado pelo menos 1 ano integral em algum serviço especializado em eletroencefalografia.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5f/ElectroEncephalogram.png

Aqui vai uma outra figura de uma montagem de um eletroencefalograma:

http://3.bp.blogspot.com/_a6500SnWswg/Rv_H4ZBUq8I/AAAAAAAAAnc/c26nxh_6dFs/s400/voyag.jpe 
E para que serve o eletroencefalograma (que a partir de agora será chamado de EEG), afinal de contas?

Basicamente, o EEG é usado no diagnósticos de doenças que envolvem a eletricidade cerebral, ou seja, doenças que alteram os impulsos elétricos cerebrais ou o modo como os neurônios transmitem a informação entre eles. E algumas dessas doenças são:

1. Epilepsia e convulsões - São o motivo mais comum do uso do EEG. As convulsões e as crises epilépticas alteram a eletricidade cerebral, por que uma crise epiléptica, como já discutido em artigo anterior neste blog, envolve desequilíbrio elétrico cerebral.

2. Doenças metabólicas - Confusão e alterações cerebrais causadas por doenças do fígado e do rim, como insuficiência do rim e do fígado. O EEG pode auxiliar no diagnóstico destas doenças.

3. Derrames - O EEG não é o exame de escolha no diagnóstico, mas pode mostrar atividade cerebral mais lenta (lentificação dos ritmos de base, o que indica lesão cerebral) no lado ou no local do derrame.

4. Encefalites - Infecções do cérebro, as encefalites podem ter seu diagnóstico facilitado também pelo EEG, que podem inclusive auxiliar no diagnóstico da causa da encefalite (como no caso das encefalites pelo vírus do herpes).

5. Coma - O EEG pode ser útil para diagnosticar o grau de um coma (por várias causas - falaremos mais sobre isso depois), por que comas mais profundos demonstram alterações no EEG diferentes de comas mais superficiais.

6. Controle de sedação - Pacientes com doenças neurológicas severas como crises epilépticas mais duradouras ou que não melhoram mesmo com vários tipos de tratamento (status epilepticus) podem ser sedados com drogas mais fortes (pentobarbital, que é um anestésico), e o diagnóstico da melhora ou não da doença pode ser feito com o EEG.

7. Tumores cerebrais e hematomas cerebrais subdurais (sangramentos cerebrais) podem alterar o EEG. Não servem para o diagnóstico, por que hoje em dia temos a tomografia, e mais recentemente a ressonância magnética (discutiremos sobre ela após) que fazem o diagnóstico.

E dores de cabeça? O EEG serve para essa doença? Não! O EEG pode mostrar alterações insignificantes na enxaqueca, por exemplo, o que pode levar um médico menos experiente a receitar um antiepiléptico sem necessidade. Outras formas de dor de cabeça primária (tensional ou salvas) não produzem alterações no EEG, e este não deve ser solicitado nestas situações. E as dores de cabeça causadas por lesões cerebrais, como tumores, devem ser investigadas com tomografia ou ressonância, e não com EEG, pois este irá mostrar somente alterações inespecíficas (o que nos fará pedir um exame de imagem no final das contas) ou pode nem mostrar nada.

Quem quiser se aprofundar mais na leitura, e souber ler inglês,  vai se interessar pela revisão da Academia Americana de Neurologia sobre o eletroencefalograma no diagnóstico de cefaleia. Além de um parâmetro fisiológico chamado de resposta H ou driving fótico, que não é costumeiramente mensurado em EEG de rotina, e que poderia ajudar no diagnóstico de enxaqueca, apesar de estudos mostrarem que a história clínica é superior a este teste no diagnóstico, não há outros motivos para solicitar EEG em dor de cabeça fora os descritos acima. O link é este.


8 comentários:

  1. Suspeitei desde o princípio. Bem, pode digitalizar sim. Mas não posso garantir um diagnóstico, pois necessitaria tê-lo em consulta para isso. Meu email é sekeff@hotmail.com. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Thiago. Bem, esse assunto foge do escopo do blog, pois estamos falando de um eletrocardiograma (cardiologia). Eu sugiro que você faça esta pergunta a um cardiologista, seria mais prudente.

    ResponderExcluir
  3. Olá Doutor tudo bem? Desejo que sim! Meu nome é Flávia Borges e tenho um filho de 2 anos ele fez um eletroencefalorama em dezembro 2013, e consta assim no exame: Sono induzido, atividade cerebral dominante apresenta as seguintes grandezas: frequencia 5 a 9 c/s amplitude 21 a 29 uVs. Distribuição Espacial: com distribuição difusa, da atividade bioelétrica encefálica. durante o repouso não observamos alteração no traçado.
    ELETROENCEFALOGRAMA COMPUTADORIZADO NORMAL, COM ATIVIDADE DOMINANTE TIPO THETA ALFA DIFUSA SEM ASSIMETRIAS OU POTÊNCIAIS CONVULSIVOGÊNICOS COM RITMO IRREGULAR.
    Desde já agradeço, e o parabenizo por sua ação, tendo em vista a demora dos serviços públicos em proporcionar tal, o retorno do meu filho será apenas em outubro e estou aflita enquanto a isto. Grata e abraços fraternais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Flávia. O exame está normal. Mas leve-o com seu filho ao médico na consulta.

      Excluir
  4. Olá, alguem poderia me dizer se há algum problema em realizar eletroencefalograma apos a tomografia? Um parente sofreu uma possivel epilepsia e um medico não nos informou a respeito se pode, agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite. Não há problema, e os mesmos podem ser realizados no mesmo dia.

      Excluir
  5. Olá , no resultado do eeg do meu filho de 7 anos deu , "foi observada discreta carencia de grafoelementos fisiológicos do sono "
    e a médica disse que tá normal , fiquei confusa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite. O sono no EEG é visto como uma sucessão de ondas ora sincronizadas, ora dessincronizadas, no início próximas às ondas da vigília (quando se está acordado), passando para uma fase onde há elementos típicos (a fase 2 do sono Não REM), para uma fase mais profunda onde há predomínio de ondas lentas e grandes, até uma fase (sono REM) onde há dessincronização do sono, algo próximo à vigpília também. O achado do seu filho sugere que ele, provavelmente, não alcançou todas as fases do sono. Mas teria de ver o exame, e seu filho, e saber o motivo que o levou a fazer o EEG, para medir a importância desse laudo.

      Excluir

Coloque suas perguntas aqui. Mas lembre-se, consultas somente no consultório. Perguntas relativas a sugestões de diagnóstico e tratamento não serão respondidas. Espero que entendam. Obrigado.